Os_Sobreviventes.jpg

Informações

Imagem do Contato

Perfil

Apresentação

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Professor do Departamento de Cinema e Vídeo da UFF, desde 2009. Também é credenciado ao Programa de Pós-Graduação em Cinema e Audiovisual (PPGCine), da UFF. Atua na organização do Cineclube Sala Escura, projeto de extensão do Laboratório de Investigação Audiovisual (LIA), desde 2010. É pesquisador vinculado à Plataforma de Reflexão sobre o Audiovisual Latino-Americano (PRALA) e ao Laboratório Universitário de Preservação Audiovisual (LUPA). Seus temas de interesse são: cinema latino-americano, história do cinema, crítica cinematográfica e preservação audiovisual.

Lattes

Projetos de Pesquisa

O cinema moderno na América latina: a construção de um pensamento cinematográfico subcontinental (1960-1979)

Considerando o Nuevo Cine Latinoamericano (NCL) como o esteio pelo qual se configurou o “campo cinematográfico” na América Latina, as nossas questões fundadoras são: 1) quais são os critérios considerados distintivos da modernidade cinematográfica latino-americana; 2) como esses critérios são debatidos, sejam contestados ou ratificados e 3) a partir de que momento histórico, esses critérios surgem e começam a se articular, formando um discurso coerente e sistemático, como o propalado pelo NCL. Para esse empreendimento, visamos realizar um estudo não calcado nos filmes, mas em uma análise da crítica dos filmes da e na época, i.e., a realização de um estudo dos procedimentos teóricos, metodológicos, retóricos, estéticos, políticos e ideológicos da abordagem dos filmes pelos redatores nas revistas cinematográficas especializadas latino-americanas.

Palavras-chave: Cinema Moderno, América Latina, História, Crítica Cinematográfica

 

“Qual é o papel de uma cinemateca na América Latina?”:  a formação e os dissensos na Unión de Cinematecas de América Latina (1965-1984)

A criação da Unión de Cinematecas de América Latina (UCAL), em 1965, visa dar visibilidade e articulação às jovens cinematecas latino-americanas, ocupando um vazio institucional gerado pela saída em bloco de nossas instituições da Federação Internacional de Arquivos de Filmes (FIAF), em 1960, em apoio à saída da Cinemateca Francesa da organização. A Crise de 1959/60 no seio da FIAF é gerada pelo debate em torno do conceito de “cinemateca”, em sua missão de preservação e difusão. No entanto, por trás deste debate se encontra um processo gerado paradoxalmente pelas próprias cinematecas, a saber, a constituição de um mercado do patrimônio cinematográfico. Por sua vez, a segunda metade dos anos 1960 pode ser interpretada como a consolidação ideológica do Nuevo Cine Latinoamericano (NCL), na medida em que já não se fala em nome de cinematografias nacionais, mas de uma cinematografia de caráter subcontinental, embora se reconheça as singularidades de cada país. Portanto, não é mera coincidência o fato de os principais textos teóricos do NCL terem sido redigidos nesse contexto. Desse modo, da segunda metade dos anos 1960 e ao longo da década seguinte, o NCL se formaliza e busca postular os seus preceitos e pressupostos, formando um processo diversificado e múltiplo. E no interior deste processo se encontra os debates ocorridos na UCAL, sobretudo na discussão sobre a redefinição do conceito de cinemateca na América Latina. Portanto, o nosso intuito é compreender os discursos que atravessam a “instituição cinemateca” em nossos países no seio da UCAL, tomando o NCL como um vetor chave neste processo.
Palavras-chave: Cinematecas, Preservação Audiovisual; Cinema na América Latina

Formulário de Contato

Enviar um email
(opcional)